Destaques Negócios

Queijaria da Ilha do Marajó recebe o Selo Arte

O Queijo do Marajó Fazenda São Victor da categoria “tipo creme”, com centro de produtividade artesanal situado em Salvaterra, na Ilha do Marajó, recebe o Selo Arte do Governo do Estado do Pará, por meio das iniciativas promovidas pela Secretaria de Estado e Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (SEDAP), e da Agência de Defesa do Estado do Pará (ADEPARÁ).

A entrega do Selo Arte aos produtores de queijo artesanal marajoara, Cecília e Marcus Pinheiro, aconteceu no Palácio do Governo, e contou com a presença do Governador Helder Barbalho; do presidente da FAEPA, Carlos Xavier; do Secretário da SEDAP, Hugo Suenaga; da Diretora da SEDAP, Brenda Caldas; e do presidente da Adepará, Geovanny Farache.

“Para nós é um dia de comemoração, pois com o Selo Arte é possível comercializar o produto para os demais estados do território nacional. A medida vai ajudar a impulsionar as vendas, proporcionando perspectivas positivas a nível comercial”, revela Marcus Pinheiro.

A Lei nº 13.680 de 14 de junho de 2018, promoveu adequação no processo de fiscalização dos produtos alimentícios de origem animal produzidos de forma artesanal, permitindo a comercialização interestadual de produtos alimentícios produzidos de forma artesanal. A lei definiu ainda que tais produtos, além do selo do serviço de inspeção oficial, serão identificados por selo único com a indicação ARTE.

A Queijaria Fazenda São Victor é detentora junto à Adepará do título de registro nº 013, que viabiliza a comercialização interestadual desse produto pelo estabelecimento.

O presidente da Faepa conta sobre a importância do incentivo do próprio do Governo do Estado, no sentido de evidenciar os potenciais da Ilha do Marajó por meio da produção artesanal. “É importante mostrar para o Brasil e o mundo um produto que, em termos históricos, têm mais de 200 anos de existência. O governo do Estado tem promovido total apoio para a Ilha do Marajó, o qual considero nunca ter visto na história.

Para Hugo Suenaga, o Selo Arte é uma grande ferramenta para adentrar em novos mercados a nível nacional. “Quando é concedido o Selo Arte é possível beneficiar o produtor, criando novos canais de vendas, e consequentemente, a valorização do produto no mercado brasileiro”, diz.

Suenaga explica ainda, que o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), exercendo um papel fundamental para o exercício do trabalho em parceria, uma vez que concede a habilitação para obtenção do Selo Arte.

A Ilha do Marajó já foi reconhecida internacionalmente com a produção artesanal do Queijo do Marajó Fazenda Victor, através da premiação da medalha prata, na maior premiação mundial para os melhores produtores de queijos – Concurso Mondial Du Fromage. O evento aconteceu na França.

Cecília Pinheiro relata que além da liberação do comercial em outros estados brasileiros, existe a questão da valorização do produto artesanal. “A regulamentação assegura tanto para nós produtores quanto para os consumidores que o produto é artesanal, e respeita todas as características e métodos tradicionais de produção”, enfatiza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *